domingo, 1 de fevereiro de 2009

Textos com amigos.Contos com contato.

Em uma dessas conversas sem compromisso pelo MSN, eis que o amigo com que eu falava me digita uma frase lindíssima, e me faz a seguinte proposta: "tô começando, tenta acompanhar, vai!"
Indecente de primeira, concerteza, mas confesso que não resisti.
Me entreguei a essência do texto e à textura das palavras.
É sobre amor, sobre o ato de amar e se fazer amado, trocando em miúdos, é uma definição bem breve do que viria a ser "fazer amor".
Diante de uma conversa amistosa sobre nossas experiências atuais, nossos amores do presente e os momentos onde nós dois - tanto ele quanto eu estamos apaixonados e reconhecemos termos mudado a partir disso - nos deleitamos de tal forma que não parece ser real.Parece, pra ambos, que o que existe é mais do que físico, é mais do que hormônio, é mais do que apenas desejo.É uma coisa incrível que se apossa das nossas mentes, dos membros, do coração e faz bater depressa.É a certeza da segurança de se estar com a pessoa que se ama, e de no final de toda aquela sedução, quando o cansaço bate e nos faz repousar uns nos outros, após o clímax, só conseguir pensar: "É ela!Só pode ser ela!".
Claro que tudo nesta vida é volúvel e possível, e nada é definitivo a menos que as partes queiram isso de comum acordo e sem maiores impedimentos que as façam desviar as rotas, até então unidas em cumunhão de corpo e espirito.
Sim, existe a possibilidade de estarmos enganados, mas não há nada melhor do que aproveitar e se entregar àquilo que nos é dado pelo destino de tão bom grado e que nos traz tamanha felicidade que já não se cabe conosco, tem que saltar peito afora, através de sorrisos, gestos, lembranças e saudades.
E que estiver reservado a nós que estejamos com nossos respectivos pares até o final de nossa exixtência, que assim seja.Se não o for, poderemos dizer do amor que tivemos que foi infinito enquanto durou.Nunca dura mais tempo ou menos tempo além do que o necessário pra se fazer inesquecível, pelo amor que se construíu ou pela dor que se descontrói com o sentimento.

Enfim, aproveitem o texto:

Sobre dois Amantes

Uma coisa...Uma energia incrível que percorre o corpo todo, de ambos.
Dividem um prazer nunca experimentado antes. Prazer este que domina o corpo e o toma por completo até que todas as suas forças sejam exauridas do seu ser, porém cada milésimo é como se fosse uma eternidade.
É recompensante e revigorante. É a eternidade de um abismo sem chão, um penar de mente e coração. Não existe nenhum tipo de explicação possível.
É um prazer inconstante que toma conta das almas e as toma pra si, as bebe e nelas se embriaga, como um rio que não pára de jorrar um sentimento que no peito não pára de pulsar.
Braseia, como fogo queima o coração, e marca os amantes como um galho flamejante queima uma flor e essa brasa nunca se extingue e leva a eternidade dos amantes para poder se aclamar.
A brasa que se apaga nas águas do mesmo rio que teima em correr e pulsar pelas veias dos apaixonados é a mesma água que se aquece e que dá vida à brasa.
Brasa essa que no fundo desse rio, jamais se apaga.

Gabriel Mororó e Tati Soares
Nota: Agradeço profundamente a inspiração, amizade, respeito e admiração que me dedicas, Gabriel.E posso afirmar que há reciprocidade proporcional, não te esqueças disso nunca.Amo-te demais, menino.

2 comentários:

Gabriel Mororó disse...

Tati esse texto ficou bom mesmo. Devemos fazer isso mias vezes.

hozana disse...

Já era de se esperar que vindo de dois mestres como vcs só poderia sair uma obra prima mesmo...amo muito tudo isso!!!