quarta-feira, 25 de maio de 2011

Pluvial

Algo em mim morreu, acho que foi o coração.
Podre, solitário e vazio.
Cansou-se de esperar pelo amor que nunca veio.
E quando veio, passou.
Que nem nuvem escura depois que chove.
Passa e nem se sente,
Só depois que a chuva acaba
Que se percebe a força da água
E o que ela lavou.

2 comentários:

Mayara disse...

Olá,

Desculpe a demora para responder, está uma correria aqui!

Então, podemos conversar por e-mail sim! Os textos devem ser relacionados ao público LGBT ( podem ser notícias, crônicas, opinioes, experiências suas...)e vai ter a sua assinatura lá! ;).

Mas vamos nos comunicando por e-mail, sem problemas.

Abç,

julio cesar disse...

TAti o coraç
ao jamais pode morrer.