terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Diálogo interno...Não, não estou esquizofrênica.

Bem como qualquer um no mundo, eu acabo falando sozinha.Normal até então.Pior é o que tenho coragem de escrever e publicar.

É, isso sim é terrível.Eu mesma me espanto com as coisas que eu penso.

Esse texto saiu de um pensamento meu que demorou muito tempo pra ir embora, cair no esquecimento.

E tanto não caiu no esquecimento por completo que se tornou texto, e não somente um texto, eu ainda criei coragem de publicá-lo.

Pra mim, diferença nenhuma faz - ou quase nenhuma - de que me rotulem de louca ou que digam que meus pensamentos são primitivos demais, simplórios demais, infantis demais...Só me preocuparia mais seriamente se meu texto estivesse ilegível.

Tendo a garantia de que qualquer um pode ler...Cá estamos, eu e o texto.

E que cada um leia e interprete como bem lhes apouverem.



Duas Palavras, Dois Passos



- Não precisamos ser completos para estarmos vivendo.A nossa imperfeição não motiva a persistir.Por que tudo parece ser muito mais difícil do que já é?
- Nada parece ser fácil, porque não precisa ser fácil.
- Se existem formas mais fáceis de se lidar com alguma coisa, então se escondem muito bem.
- No mundo real, há muitas perguntas para as quais não encontramos respostas.Coisas sem solução.Não há como todos serem felizes.
- Por quê?
- Porque para alguém ser feliz, outra pessoa acabará sofrendo.As pessoas vão se acostumando com a felicidade conseguida.E elas buscarão mais felicidade.
- A ganância é muito grande, não é?
- Isso mesmo. É por isso que existe o sentimento de tristeza nas pessoas.
- Se não existisse tristeza, as pessoas não saberiam o que é alegria?
- Parece contraditório, não é?Eu não quero viver em um mundo com essas contradições.Eu quero parar enquanto me sinto feliz.Vou transcender a realidade.Vou para um lugar onde não precisarei de nada, não me sentirei triste e poderei repousar.Assim como eu, você pode fazer essa “viagem”...Você foi o escolhido.
- Foi por isso que você apareceu?
- Isso mesmo.
- Foi só pra mostrar essa “viagem”?
- Dê um fim nisso...Essa é a “viagem”.Você deve abandonar tudo o que passou...Deve parar a sua existência.Aquilo que você vê, o que você ouve, o que você cheira, come, toca...O tempo e sua alma...Seu corpo e o ar a sua volta...Negue a existência de tudo isso e então você vai “parar”.
- Eu...Vou...Parar...
- Você vai parar.
- Eu devo parar...O que será?Tem alguma coisa errada aqui.Achei que não tivesse nada dentro de mim, mas há algo que está me segurando.Tem alguém... – pausa – Essa doença é a minha fraqueza. É o meio que encontrei para fugir das coisas tristes. É um mundo fechado que eu mesmo criei.
- Sim.Mas é muito melhor do que a infelicidade que o espera no mundo real.
- Talvez.Se eu ficar, provavelmente não irei mais sofrer.Pode ser que este seja um mundo feliz.Mas, talvez não seja assim.Esse mundo dentro de mim não é real.
- O que está dizendo?
- Desculpa, eu não quero a eternidade.Eu quero seguir em frente.Mesmo que tudo tenha um fim...
- Você...
- Desculpe-me, quero seguir em frente. É por isso que eu não podia ter te esquecido.A minha tristeza foi ter perdido você.As coisas tristes não podem ser esquecidas.Elas têm que ser superadas.
- Não posso...
- Por que será que não conversamos mais?Por que eu não pude perceber que você estava sofrendo?Naquela época você ficava mais distante a cada dia e eu não conseguia nem chegar perto de você, porque tinha medo.Depois que te perdi, eu fui esmagado pelo meu arrependimento.Sofri muito...Para fugir dessa dor, guardei suas lembranças dentro de mim.Neste mundo parado, que eu mesmo criei.Fui um idiota!Esta tranqüilidade que consegui às custas de esquecer a sua existência...Não passa de uma farsa!
- Não...Espere!
- Eu...Tenho que ir.Irei para onde o tempo está correndo.
- Não me deixe assim...
- Mesmo que eu sofra...Quero ficar no mundo que muda constantemente com o passar do tempo.Viverei carregando comigo suas lembranças.Minha querida...
- Eu...Te...
- Adeus, minha querida.
- Adeus... – pausa – Será como sempre foi, um dia como qualquer outro.Apesar de parecer ter algo diferente.Mas o que estou dizendo?
- Já deveria ter ido.

Um comentário:

Mari disse...

Nada primitivo, nem simplório, nem infantil.
Parabéns!